Mamografia é fundamental na prevenção do câncer de mama

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama – o mais comum entre as mulheres, depois do de pele não melanoma – afeta 57 mil mulheres por ano no Brasil. A doença representa 28% dos novos casos de câncer que surgem a cada ano.

Caso seja identificado em fase inicial, o tumor pode ser curável em até 98% dos casos, evitando a retirada do seio e aumentando as chances de tratamento e cura. Para prevenir a doença, a mamografia é considerada um dos procedimentos mais eficazes na detecção precoce do câncer de mama.

A mamografia é um exame indispensável para chegar a um diagnóstico precoce de câncer de mama. Ela é um raio-x que produz imagens de alta qualidade das mamas, que ajudam o médico a identificar tumores que ainda estão pequenos demais para serem sentidos durante o exame de toque.

Hoje em dia no Brasil, a mamografia é indicada como um exame de rotina a partir dos 50 anos. Seu médico pode pedir que você faça esse exame como parte do seu acompanhamento periódico, ou para investigar uma suspeita de câncer de mama. Se não existir nenhum sinal de câncer, você pode voltar à sua rotina normal de exames.

Mamografia deve ser exame de rotina

Quando você faz a mamografia como parte dos exames de rotina, ela é chamada de mamografia de rastreio. Nesse caso, o seu médico usa os resultados da primeira mamografia para comparar com os resultados dos seus exames seguintes, e assim, ele consegue ter uma visão mais completa e um histórico das alterações nos seus seios.
Mas, se você percebeu alguma alteração nos seus seios, como caroços, dores, secreções ou alterações no tamanho das mamas, você deve agendar uma consulta com seu ginecologista. Se ele achar necessário, você será encaminhada para uma mamografia de diagnóstico.

Embora seja chamada de mamografia de diagnóstico, é o mesmo exame. Mas, nesse caso, o objetivo é investigar o que pode estar causando as alterações. Mas para que o câncer de mama seja diagnosticado de fato, você também deve fazer uma biopsia no caso de ser detectado algo fora do comum, pois a mamografia não é suficiente para identificar a doença.

Aumento das chances de cura do câncer

A eficiência da mamografia para descobrir alterações que podem ser um câncer de mama depende de vários fatores, como: tamanho do tumor, densidade do tecido da mama, habilidade do radiologista e a leitura dos resultados pelo médico.
Mas, mesmo assim, o exame é uma das melhores formas de chegar a um diagnóstico precoce para o câncer de mama. E quanto mais cedo o câncer de mama for descoberto, maiores são as chances de curá-lo.

No caso de ser identificado algum tumor na mamografia, ainda é necessário fazer uma biópsia para descobrir se ele é benigno ou maligno, ou seja, se é um câncer ou não. Mas, se tiver que fazer uma biópsia, não se desespere! Ela não significa que você tem câncer, é apenas mais uma fase da investigação. Procure sempre o seu médico e tire todas as suas dúvidas.

Como funciona o exame

A mamografia é um exame de imagem que realiza um raio-X das mamas. Na mamografia digital, os raios X que atravessam a mama alcançam um detector que os transmite a um computador. Já no método tradicional, a imagem é impressa em um filme. Os dois tipos de exame utilizam esses raios na produção da imagem da mama. A diferença está no resultado da captação da imagem, que apresenta uma definição maior no exame digital, permitindo, assim, uma visualização melhor de alterações.

Para que você entenda melhor o exame, dividimos o procedimento em algumas etapas. São elas:

  • Indicação

Em consulta, um ginecologista solicitará o exame, caso veja necessidade, para detectar possíveis tumores de mama.

  • Profissionais

              A mamografia é realizada por um profissional em radiodiagnóstico e quem analisa as imagens     captadas é um médico radiologista, oncologista ou mastologista.

  • Realização

              Durante o exame, a paciente fica de pé ao lado do equipamento. As mamas são, uma a uma, comprimidas firmemente entre duas placas planas, a fim de espalhar o tecido mamário e reduzir a dose de radiação necessária para obter a imagem.

  • Precauções

              Como se trata de um procedimento que pode causar desconforto nas mulheres, a mamografia deve ser evitada no período anterior ou posterior à menstruação, já que as mamas tendem a estar mais sensíveis devido às alterações hormonais. Além disso, é recomendado que a mulher evite o uso de cremes, desodorantes e perfumes próximos às mamas no dia do exame, pois essas substâncias podem prejudicar a captação das imagens.

Quando devo iniciar a triagem?

A recomendação brasileira – atualizada em 2015 – estabelece que mulheres entre 50 e 69 anos realizem o exame de mamografia a cada dois anos. Isso não significa que apenas pessoas dessa faixa etária precisem ficar atentas. Algumas pessoas podem ter alto risco de desenvolver a patologia antes dos 50 anos se tiverem histórico familiar de câncer de mama, câncer de mama bilateral, câncer de ovário ou câncer de mama masculino. Nessas circunstâncias, é fundamental que o médico seja informado para que possa fazer uma avaliação do caso em particular e definir que tipo de conduta seguir.

 

Referências

Dia Nacional da Mamografia chama atenção para importância do diagnóstico precoce. Fundação do Câncer [Internet]. 6 fev 2017 [acessado em: 25 set 2017]. Disponível em: https://www.cancer.org.br/dia-nacional-da-mamografia-chama-atencao-para-importancia-do-diagnostico-precoce/

Mamografia com contraste revoluciona diagnóstico de câncer de mama. Fundação do Câncer [Internet]. 10 mar 2017 [acessado em: 25 set 2017]. Disponível em: https://www.cancer.org.br/mamografia-com-contraste-revoluciona-diagnostico-de-cancer-de-mama/

Tipos de câncer: Mama – Detecção Precoce. Instituto Nacional de Câncer [Internet]. Acessado em: 25 set 2017. Disponível em: http://www.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/mama/deteccao_precoce

Tipos de câncer: Mama. Instituto Nacional de Câncer [Internet]. Acessado em: 25 set 2017. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/mama/cancer_mama

Você também pode gostar
Faça parte!