Como o câncer de mama afeta a vida sexual?

O câncer de mama causa diversas mudanças no corpo da mulher. Ele pode causar depressão e abalar a autoestima, afetar a libido e o relacionamento com parceiro. Entender de que forma a doença pode afetar a vida sexual é importante para aprender a lidar com essas alterações.

O tratamento do câncer de mama também pode diminuir o desejo sexual. Isso porque um dos efeitos colaterais dos medicamentos usados no tratamento é a alteração das taxas de alguns hormônios.

Câncer de mama e hormônios

A diminuição nas taxas dos hormônios estrogênio, progesterona e testosterona faz com que a mulher perca o desejo sexual. Se esse é seu caso, especialistas aconselham, pelo menos durante o tratamento, diminuir a importância do orgasmo e focar no prazer do beijo e do toque, por exemplo.

Câncer de mama e depressão

Após o diagnóstico do câncer de mama, muitas mulheres desenvolvem algum tipo de depressão, o que afeta diretamente a sua vida sexual. Durante esse período, muitas pacientes consideram que sexo é a última questão a se pensar em suas vidas.

Câncer de mama e cirurgia

Pesquisas mostram que boa parte das mulheres diagnosticadas em estágio inicial conseguem ter uma boa adaptação emocional e satisfação sexual. Os principais impactos estão relacionados à mastectomia e à reconstrução mamária.

Mastectomia – após a cirurgia, não haverá mais a mama. Por isso, as pacientes que se submetem a esse procedimento precisam reaprender a ter prazer sem ser tocada ou acariciada no seio, uma das fontes de prazer sexual. Algumas gostam de ser tocadas em torno da área da cicatriz, outras não.

Reconstrução mamária – a cirurgia restaura o formato da mama, mas não sua sensibilidade. Isso porque o nervo que conduz o impulso nervoso da sensação do mamilo e do tecido mamário é cortado.

Impacto sobre o parceiro – o diagnóstico de câncer é tão angustiante para a paciente quanto para seu parceiro. A relação pode se fortalecer se o parceiro participa da tomada de decisões e acompanha a esposa ou namorada em todas as etapas do tratamento.

Seja como for, é fundamental que o parceiro demonstre apoio e compreensão e entenda o novo ritmo da mulher. E como a doença pode afetar como cada parceiro se comporta em relação ao outro, talvez seja aconselhável procurar ajuda de um terapeuta.

 

Conteúdo relacionado no site Mulher Consciente

 

Referências

Você também pode gostar